Menu
Pesquisa
Português
  • English
  • 简体中文
Visite-nosInscreva-se
  • English
  • 简体中文

Gray Matters: Qual deve ser o papel da lição de casa no aprendizado?

Contexto histórico
Nos EUA, a importância da lição de casa foi tema constante de debates ao longo do último século. Na primeira metade do século 20, não era muito comum passar tarefas para os alunos fazerem em casa. Diversos distritos escolares aboliram a lição de casa de 1ª a 8ª série devido à crença de que ela apenas estimulava uma aprendizagem mecânica. Esse cenário mudou na década de 1950, quando a União Soviética lançou o Sputnik. Surgiu, então, a percepção de que seria preciso aumentar a quantidade de dever de casa dos estudantes nos EUA para que o país fosse competitivo na corrida espacial. Desse momento em diante, a opinião geral sobre a lição de casa alternou, a cada 15 anos, entre o apoio e a reprovação. Hoje, nossa compreensão do tema é mais aprofundada graças a pesquisas, mas os debates continuam.

Lição de casa: há um propósito?
Diversos benefícios são atribuídos à lição de casa: melhora na retenção de conhecimento factual, desenvolvimento de hábitos de estudo, elevação da capacidade de gerenciar o tempo de maneira efetiva e aumento do envolvimento dos pais. Há desafios evidentes ao avaliar quais desses benefícios podem ser atribuídos à lição de casa e quais têm maior relação com as características pessoais de cada estudante ou com a qualidade das tarefas. Outro fator complicador é que a lição de casa é frequentemente associada a efeitos negativos, como o aumento do estresse e o pouco tempo destinado ao sono, o que talvez anule os possíveis benefícios. De qualquer forma, até o momento, as pesquisas trazem uma visão geral sobre o papel da lição de casa em ajudar a alcançar alguns desses objetivos.

Exemplos de pesquisas
Qual é a quantidade ideal de lição de casa?
Apesar de não haver unanimidade, vários estudos que fazem a comparação entre o tempo destinado à lição de casa e o bom aproveitamento escolar indicaram que a relação entre esses dois fatores não é linear: fazer mais lição de casa não significa aprender mais. Em um estudo com 7.451 estudantes de 13 anos, foram aplicadas uma prova de Ciências e Matemática e uma pesquisa sobre a dedicação, o tempo e a frequência das lições de casa, além das circunstâncias gerais em que as tarefas haviam sido feitas. Resultados: foi observada uma associação entre a melhora no rendimento acadêmico dos estudantes e o tempo destinado à lição de casa quando a duração dela era de até 1 hora por dia. Após esse período, a lição de casa extra foi associada à piora no desempenho. Esse resultado varia de acordo com a faixa etária dos alunos.

Como a influência da lição de casa varia de acordo com a série?
Apesar de não haver estudos empíricos que comparem diretamente o papel da lição de casa em diferentes faixas etárias, uma revisão bibliográfica revela tendências claras. Uma metanálise de 4.400 estudos realizados até 2003 concluiu que o tempo destinado à lição de casa teve efeitos diferentes dependendo do nível escolar. Resultados: os estudantes de 9ª a 12ª série obtiveram o melhor resultado ao fazer até duas horas de lição de casa. Os alunos da 5ª à 8ª série apresentaram um bom resultado com até uma hora de lição de casa, e não foi observado praticamente nenhum benefício para estudantes de 1ª a 4ª série.

Quais fatores da lição de casa contribuem para um bom rendimento acadêmico?
Pesquisas que têm como objetivo estudar as circunstâncias em que os alunos concluem a lição de casa revelaram que a autonomia e a dedicação são indicadores de rendimento mais importantes do que o tempo destinado à lição de casa por si só. Um estudo com 483 alunos da 8ª série de 20 turmas analisou as notas deles e comparou a pontuação em Matemática com as respostas a uma pesquisa referentes à dedicação ao dever de casa. Os estudantes participaram da pesquisa em novembro e novamente em maio do mesmo ano letivo. Resultados: o rendimento acadêmico referente às notas e pontuações nas provas apresentou uma correlação positiva com a dedicação à lição de casa. No entanto, outros estudos sugerem que, como a dedicação e a autonomia têm uma alta correlação com os resultados anteriores dos estudantes, é difícil afirmar se essa é uma característica da lição de casa ou de determinado tipo de aluno.

Como a lição de casa pode melhorar o aprendizado?
Para melhorar o aprendizado, é preciso implementar, no planejamento da lição de casa, as práticas descritas na edição “Como posso melhorar a aprendizagem a longo prazo” da Gray Matters 01. Por exemplo, a prática distribuída é usada para melhorar a memória dos alunos quando a lição de casa serve para fazer exercícios que complementem o material abordado e as habilidades adquiridas nas semanas anteriores. Quando o dever de casa é composto por exercícios adequados que trabalham habilidades importantes, ele também ajuda a consolidá-las em diversos contextos. Uma pesquisa realizada com diretores e coordenadores pedagógicos sobre práticas recomendadas de lição de casa revelou resultados semelhantes: as tarefas podem aumentar o engajamento quando são extensões autênticas e interessantes da aula. Resultados: a lição de casa precisa ter um propósito e ser baseada nos tipos de exercício mais efetivos.

A lição de casa terá um efeito diferente se a aprendizagem acontecer em casa e os exercícios forem feitos em aula?
Nesse caso, a questão é, basicamente, saber se a lição de casa facilita a aprendizagem quando é realizada em parte na sala de aula, em vez de totalmente em casa. Um modelo que representa essa situação é a aula invertida. Estudos de caso realizados com alunos da 9ª à 12ª série abrangendo diversos assuntos revelaram que houve uma melhora no aproveitamento escolar após a implementação de um modelo em que os estudantes assistiam a vídeos em casa e faziam os respectivos exercícios em sala de aula. Nessas escolas, a porcentagem de estudantes aprovados em testes de múltipla escolha aumentou em até 12%. Há falhas nos métodos de investigação usados em estudos empíricos comparando atividades realizadas em casa e em sala de aula. No entanto, em geral, eles indicam que exercícios feitos em sala de aula têm um impacto positivo em estudantes de séries mais avançadas. Resultados: a pesquisa é inconclusiva, mas indica, de maneira geral, que a abordagem da aula invertida tem benefícios positivos claros para estudantes do Ensino Médio.

Com que frequência a lição de casa deve ser passada?
A pesquisa que trata da frequência não é conclusiva. Porém, a maioria dos estudos sugere que as turmas que recebem lição de casa com frequência tendem a ter resultados melhores nos exames de aproveitamento escolar. Um desses estudos aplicou testes de múltipla escolha de Matemática em 2.939 estudantes da 7ª e 8ª série de 20 turmas. Além de realizarem o exame, os alunos responderam a perguntas sobre a frequência e o tempo médio destinado à lição de casa todos os dias. Resultados: as turmas que receberam lição de casa com mais frequência tiveram médias maiores nos exames de aproveitamento escolar.

A lição de casa muda o comportamento dos estudantes com relação à escola?
Estudos comparando o comportamento dos estudantes que receberam e que não receberam lição de casa, de maneira geral, não apresentam resultados significativos em vários níveis escolares. Uma pesquisa comparou três modelos em que 342 alunos da 3ª série de 12 turmas receberam lição de casa de Aritmética de maneiras diferentes: os professores não passaram nenhuma tarefa, passaram tarefa como de costume ou passaram uma quantidade de tarefa constante todos os dias. Os estudantes responderam a perguntas referentes ao comportamento deles com relação aos seguintes tópicos: escola, professor, Aritmética, ortografia, leitura e lição de casa. Resultados: não foram encontradas diferenças significativas no comportamento dos diversos grupos.

Conclusão
A qualidade da lição de casa e os alunos que a concluem varia de maneira significativa. No entanto, as tendências gerais das pesquisas sugerem que passar tarefas para casa traz benefícios para estudantes de 5ª a 12ª série. A frequência das tarefas e a autonomia dos estudantes para fazê-las também apresentaram uma correlação com o aproveitamento escolar. A partir desses resultados, é possível definir diretrizes referentes à quantidade adequada de lição de casa. Porém, a maneira de incorporar o conteúdo das tarefas da melhor forma possível no desenvolvimento geral da aprendizagem dos alunos continua a critério do professor.

Referências

COOPER Harris. Homework. Research on Teaching Monograph Series, Homework Versus In-class Supervised Study. 1989, 77- 89.

COOPER Harris. Synthesis of Research on Homework. Educational Leadership, v. 47(3), p. 85-91, 1989.

COOPER Harris; ROBINSON Jorgianne Civey; PATALL Erika A. Does Homework Improve Academic Achievement? A Synthesis of Research, 1987–2003. Review of Educational Research, v. 76(1), p. 1-62, 2006.

DARLING-HAMMOND Linda; IFILLLYNCH Olivia. If They’d Only Do Their Work! Educational Leadership, v. 63(5), p. 8-13, 2008.

FERNÁNDEZ-ALONSO Rubén; SUÁREZÁLVARES Javier; MUÑIZ José. Adolescents’ Homework Performance in Mathematics and Science: Personal Factors and Teaching Practices. Journal of Educational Psychology, v. 107(4), p. 1075, 2015.

KOHN Alfie. Does Homework Improve Learning? AlfieKohn.org, 2006.

MAERTENS Norbert. Effects of Arithmetic Homework upon the Attitudes of Third Grade Pupils Toward Certain School-related Structure. School Science and Mathematics, v. 68(7), p. 657-662,1968.

PEARSON EDUCATION. Flipped Learning Model Dramatically Improves Course Pass Rate for At-Risk Students, Clintondale High School, MI: A Case Study, mai. 2013.

PEARSON EDUCATION. Flipped Learning Model Increases Student Engagement and Performance, Byron High School, MN: A Case Study, jun. 2013.

TERADA Youki. Research Trends: Why Homework Should Be Balanced. Edutopia, 31 jul. 2015.

TRAUTWEIN Ulrich. The Homework–Achievement Relation Reconsidered: Differentiating Homework Time, Homework Frequency, and Homework Effort. Learning and Instruction, v. 17(3), p. 372-388, 2007.

WILLINGHAM Daniel T. Ask the Cognitive Scientist Allocating Student Study Time. American Educator, v. 26(2), p. 37-39, 2002.

A Gray Matters tem como objetivo oferecer respostas baseadas em pesquisa a dúvidas que geralmente surgem entre docentes e na comunidade de ensino. A Gray Matters é publicada pelo grupo Tiger Works Research & Development da Avenues.

SAIBA MAIS

Carreiras

Encontre seu futuro na Avenues: faça parte de uma equipe que está redefinindo a educação ao redor do mundo.

OPEN.ed

Explore as mais recentes descobertas sobre educação global nos nossos câmpus em três continentes.

Fale conosco

Veja nosso diretório de contatos, incluindo o escritório central da Avenues e nossos câmpus globais.

Voltar ao topo

Escritório central

Saiba mais